Matéria > Agricultura

Reunião discutirá abastecimento de água nas comunidades Barro e Lagoa Seca

Representantes do Sistema Integrado de Saneamento Rural do Piauí (SISAR/PI) participarão do encontro.
Paula Monise - 11/01/2018
183 Visualizações
1498c063b734947ca698988beab4.jpg Reprodução

A Prefeitura de Santana do Piauí através da Secretaria Municipal de Agricultura e Recursos Hídricos realizará na próxima sexta-feira (12) encontros com moradores das comunidades rurais Lagoa Seca e Barro. As reuniões que contarão com a representação do Sistema Integrado de Saneamento Rural do Piauí (SISAR/PI) tem por objetivo discutir o uso consciente da água, bem como a distribuição regular do bem natural.

A primeira reunião acontecerá às 14h00, na Escola Municipal Ferreira Santos Brito, localizada no Povoado Barro. Em seguida, às 17h00, será realizado um novo encontro na Escola Antônio Mariano da Cunha, na localidade Lagoa Seca.

Segundo o secretário de Agricultura e Recursos Hídricos de Santana do Piauí, Francisco de Moura Sobrinho, o Netinho, todos os moradores das localidades são convocados a participar das reuniões que tem como temática a implantação do SISAR. A futura implantação ocorre mediante apreciação popular.

“Após apresentação do projeto, os moradores destas localidades poderão avaliar se o sistema deve ser implantado. É importante ressaltar que nos municípios em que o SISAR é responsável pelo abastecimento de água, os resultados têm sido satisfatórios, sobretudo para o povo”, afirmou o secretário.

Netinho ainda destacou que o abastecimento de água coordenado pelo SISAR terá um custo simbólico para as famílias que residem na zona rural, inferior ao cobrado por outras empresas que gerenciam o abastecimento de água.

                      Reunião realizada na Comunidade Lagoa dos Marcelinos

A prefeita de Santana do Piauí, Maria José de Sousa Moura (PP), explicou que o convênio com o SISAR-PI foi firmado em gestões passadas. Ela ressalta a necessidade do município aderir ao convênio, especialmente para que a quantia gasta com a energia elétrica que mantém os poços tubulares, possa ser direcionada em investimentos para as comunidades.

"Hoje está inviável para o município pagar a conta de luz dos poços tubulares devido a precária situação dos municípios. Estamos fazendo o chamamento da população para que somemos forças e assim garantiremos um fornecimento regular de água para todos. Existe uma preocupação em pagar a água, é normal, pois todos também passamos por dificuldades, mas vale lembrar que o valor é uma tarifa social e não os valores convencionais cobrados por outras empresas que cuidam do abastecimento de água", disse a gestora.

Em novembro de 2017 uma reunião foi promovida na Comunidade Lagoa dos Marcelinos, onde os moradores aprovaram e/ou não a implantação do sistema. Assinaturas das famílias foram recolhidas.