Matéria > Assistência Social

Audiência pública trabalha prevenção e combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes em Santana do Piauí

A audiência aconteceu na praça São Pedro.
Renata Santos - 19/05/2023
43 Visualizações
PMSP-IMG-1e194bbbca6410023f2.jpg

A Prefeitura Municipal, por meio das Secretarias de Assistência Social, Educação e Saúde, Centro de Referência da Assistência Social, em parceria com entidades de proteção como o CMDCA e Conselho Tutelar, promoveram na noite desta quinta-feira (18), uma audiência pública sobre a Campanha 18 de Maio.

O objetivo é chamar a atenção, conscientizar e orientar a população de como combater os atos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

A audiência aconteceu na praça São Pedro e foi conduzida pela assessora da 2ª Promotoria de Justiça de Picos, Monísia Carvalho Gomes, juntamente com o psicólogo Moisés Nascimento. O evento teve a participação da Fanfarra municipal.


Membros do CRAS, Conselho Tutelar e Palestrantes 
 

Estiveram presentes além da prefeita Maria José e o vice-prefeito Neli Borges, vereadores, secretários, demais colaboradores da gestão municipal e alunos.

Na ocasião a prefeita Maria José chamou atenção para as pessoas olharem mais para a família, visto que casos de abusos e violências costumam acontecer no seio familiar.

Prefeita Maria José e assessora da 2ª Promotoria de Justiça de Picos, Monísia Carvalho Gomes. 

“Esse abuso deixa marcas para a vida toda. Por isso o cuidado com aqueles vulneráveis que as vezes nem sabem discernir que estão sofrendo algum tipo de abuso e isso também pode repercutir muitos anos depois quando ele for adulto”, destacou. “Somos responsáveis por essa reflexão para quebrarmos esse silêncio das pessoas que sofrem”, concluiu destacando a Secretaria de Assistência Social que possui diversos canais e o Conselho Tutelar onde as pessoas podem recorrer auxílios necessários.

A assessora Monísia, explicou que as escolas têm uma função social de educar, transmitir valores, disciplina e regras de uma sociedade. É considerada um lugar de revelação, principalmente quando a violência acontecer no território familiar.


Monísia destacou ações importantes da escola onde os profissionais podem adquirir capacidade de observação e de escuta da criança, dialogar com a família, conhecer os indicadores da violência sexual, conhecer os recursos necessários, construir meios e formas para acompanhar a criança, bem como construir meios e formas para oferecer apoio psicológico ao professor, e preparar atividades pedagógicas que abordem temas de autocuidado e da autodefesa da criança.

Sintomas e sinais de violência psicológica foram apresentados pela assessora da 2ª Promotoria de Justiça.

O psicólogo Moisés Nascimento desenvolveu uma dinâmica formando um círculo com todos e para reflexão perguntou se eles sabiam onde os filhos estavam, com quem estavam, o que faziam, com quem andavam, dentre outros apontamentos.

Moisés ressaltou que casos de violência sexual acontecem diuturnamente no país e orientou as pessoas procurarem o Conselho Tutelar, CRAS, NASF, Secretaria de Educação, Ministério Público e o Disk 100 que é um canal de denúncias.

Ao final, o presidente Fábio, do Conselho Tutelar de Santana, agradeceu pela presença do público.

“Essa data é bastante importante com um tema doloroso que infelizmente está presente em nossa sociedade. Esse cuidado é uma responsabilidade de todos”, destacou.